Profissão Repórter, hoje 20/08: Crimes contra a própria família

Programa mostra casos de pessoas que cometeram crimes contra a própria família. O Profissão Repórter fala do caso do garoto Marcelo e a dificuldade de acreditar que ele tenha matado parentes, não perca hoje no Profissão Repórter às 23h46.

Cantora Simony está grávida pela quarta vez, diz colunista

 (Foto: Reprodução)

Simony é  namorada de Patrick que é 11 anos mais novo que ela,  o  relacionamento  foi assumido no  final de 2012.  A  cantora de  36 anos, está grávida pela quarta vez, segundo informações publicadas pela  colunista Fabíola Reipert, do portal “R7″. Porém a  assessoria que foi procurada,  não está disponível para confirmar ou não a notícia.

Simony  é mãe de Ryan e Aysha, fruto do relacionamento com o rapper Afro-X.  Já com  o jogador Diego Souza, ele teve Pyetra.

Restart: Uma “família” briguenta

Koba, PeLanza, Pedro Lucas e Thomas - AgNews

Koba, PeLanza, Pedro Lucas e Thomas – AgNews

A banda formada pelos jovens Pedro Lanza, Pedro Lucas, Koba e Thomas não vive da forma como eles tentam passar para a mídia. A verdade é que, como em toda “família”, o Restart tem muitos desentendimentos, e pior: eles não se suportam. O fato de os meninos terem atingido o sucesso muito cedo talvez seja a principal razão para tanta imaturidade. Eles vivem discutindo e, no final das contas, Pe Lanza tem o apoio de Thomas e Pedro Lucas o apoio de Koba.

Eles discutem a roupa, a música, os horários… TUDO. A única razão deles ainda continuarem juntos é porque eles devem cumprir um contrato que os obriga a trabalharem unidos para não haver multa.

Quem conhece a banda de perto reconhece os problemas mais facilmente. Nos momentos de lazer, PeLanza e Thomas sempre estão juntos, assim como acontece com Pedro Lucas e Koba. Não se assustem com o dia que a banda encerrar, a separação litigiosa já está no futuro dos garotos.

P*** falta de sacanagem…

Pronto, Falei!

Acre: família de ambientalista quer indenização de R$ 23 milhões da Globo

Wilson Pinheiro

Terminou sem acordo a audiência de conciliação e julgamento envolvendo a família do líder sindical e ambientalista Wilson Pinheiro (1933-1980) e a Rede Globo, realizada nesta sexta-feira (11), na 4ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco.

A família de Pinheiro -assassinado dentro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia, há 30 anos, supostamente a mando de pecuaristas- move ação por dano moral (direito de imagem) contra a Rede Globo em que pede pagamento de indenização de R$ 23 milhões.

A Globo é acusada de ter utilizado, sem autorização, imagens do sindicalista e seus familiares na produção da minissérie “Amazônia – De Galvez a Chico Mendes”, de autoria da novelista acreana Glória Perez, exibida no País em 2007.

Presidente da OAB-AC, Florindo Poersch representou a Globo e negou a acusação da família. Segundo a defesa, nenhuma dessas pessoas foi difamada no roteiro da minissérie.

- Elas foram elogiadas e existe até depoimentos que elogiam o trabalho da escritora Glória Perez – disse o advogado.

A ação foi distribuída em dezembro de 2009. O juiz Marcelo Carvalho, que presidiu a audiência, determinou a conclusão dos autos para nova deliberação ou sentença de julgamento antecipada do processo. Ele pode ainda determinar a produção de novas provas, caso considere necessário.

O sindicalista liderou no Acre o “mutirão contra a jagunçada”. Centenas de trabalhadores rurais marcharam contra os que ameaçavam os posseiros da região. Dezenas de rifles foram tomados e entregues ao Exército.

O então sindicalista Lula esteve em Brasiléia após o assassinato e participou de um ato público. Lula disse que estava na hora da “onça beber água”. Dias depois, trabalhadores rurais emboscaram e assassinaram Nilo Sérgio, o Nilão, capataz na região.

O discurso de Lula foi interpretado pela ditadura militar como tendo incitado os trabalhadores rurais a consumarem a vingança do assassinato de Wilson Pinheiro. Lula teve que responder a processo baseado na Lei de Segurança Nacional junto com os sindicalistas Chico Mendes e João Maia. Os três foram absolvidos e anistiados.

Foto: Elson Martins/Divulgação

Blog da Amazônia